English Portuguese Espanhol

Noções FOG

Conheça - Noções FOG

Noções FOG 01!

Na atualidade, as máquinas de fumaça são talvez os dispositivos geradores de Efeitos Especiais mais utilizados nos show ao vivo, cenários, produções de TV e cinema, teatro, e entretenimento. Os avanços na tecnologia durante os últimos anos se desenvolveram a partir de antigos dispositivos que emitiam muito barulho e fumaça de mau cheiro até se converter em dispositivos bastante silenciosos e capazes de produzir grandes quantidades de fumaça quase livre de cheiro. As máquinas de fumaça também baixaram de preço consideravelmente nos últimos anos de maneira que, hoje em dia, uma máquina de fumaça se encontra dentro do orçamento de qualquer iluminador.

Mas, como funcionam? Os detalhes da operação de qualquer máquina de fumaça podem variar entre os fabricantes, mas os fundamentos são os mesmos. O fluido para fumaça é introduzido por pressão por uma bomba dentro de um intercambiador de calor. O intercambiador de calor é um bloco de metal com um elemento de calefação inserido nele. O elemento, controlado por um termostato, mantém o intercambiador de calor a uma temperatura alta. O intercambiador tem um capilar que se utiliza para o passo do líquido através dele. Enquanto o líquido se bombeia no intercambiador de calor, a alta temperatura faz que se vaporize e se expanda rapidamente. A rápida expansão do vapor faz que seja forçado a sair por um bico ou uma série de bicos na parte frontal da máquina. Como o vapor se mistura com o ar frio fora da máquina, ao instante forma um efeito de aerossol opaco, em outras palavras, a neblina.

Se você planificar usar a neblina numa produção próxima terá vários fatores que deverá considerar, como o volume (quantidade de neblina que será necessária), fonte (de onde provirá a neblina), e saúde e segurança (detectores de fumaça e outras considerações). Como com qualquer aspecto na produção, também é necessário que você preste atenção em todos os aspectos de um efeito de neblina. Ao fazê-lo produzirá um efeito muito melhor e evitará muitos possíveis problemas.

O volume de fumaça necessário para o efeito é regido pelo lugar onde o efeito será utilizado. A maioria das máquinas de fumaça que estão no mercado tem seu volume de produção expressado em pés cúbicos por minuto. Esta medida não está regulamentada, mas merece o seguinte esclarecimento: estas medidas são aproximadas, se tivermos uma máquina em cuja especificação dizer que tem um volume de produção “a máximo rendimento de 10.000 pés cúbicos por minuto, significa que poderá encher um cenário de 20 m. x 30 m. com um teto a 10 m. em aproximadamente 1 minuto”. Observe que dissemos “ao máximo rendimento.” Isto é porque alguns atomizadores têm uma saída de fumaça variável. A saída variável se consegue por meio do controle da quantidade de líquido introduzido no intercambiador de calor. Isto lhe permite ajustar o volume da fumaça para lugares pequenos ou maiores e também para criar diferentes volumes de fumaça no mesmo espaço.

A fonte da fumaça não é sempre uma preocupação. Muitas vezes, simplesmente a fumaça bombeada no cenário durante um blecaute na iluminação é todo o que você precisa. Terá ocasiões, no entanto, em que a fumaça tem que parecer que provêem de uma fonte específica. Isto é aplicável a diferentes cenas quando criamos efeitos em produção cinematográfica ou de TV ou Teatro. Qualquer que for o caso, muitas vezes não é possível contar com a máquina de fumaça perto de onde o efeito tem que ocorrer. Nestes casos, podem-se utilizar condutos para dirigir a fumaça. A maioria dos condutos de fumaça são construídos com qualquer mangueira ou tubos de PVC rígido. Qualquer conduto utilizado para a fumaça deve ser ao menos de quatro polegadas de diâmetro, qualquer tubo de menor diâmetro pode constranger a fumaça e fazer que tenha que compensar com a injeção de mais fumaça, com a conseqüência de maior gasto de líquidos. Além disso, lembrem que a fumaça não se cria até que o vapor da máquina se mistura com o ar fresco. Portanto, um “espaço aéreo” de uns poucos centímetros deve ser deixado entre a máquina e os condutos. Se a fumaça tiver que viajar uma longa distância, um ventilador pode ser agregado ao sistema através de uma conexão em estrela. A fumaça não deve ser bombeada diretamente sobre as aspas do ventilador, já que isto romperá a neblina deixando resíduos no ventilador e levará a uma redução da produção global.

O item de saúde e segurança deve ser considerado sempre ao acrescentar um efeito especial a um espetáculo. Quando se utiliza a fumaça num espetáculo, pode ser uma boa ideia advertir a sua audiência. Enquanto as máquinas de fumaça e os líquidos desenvolveram-se até o ponto de que são completamente não tóxicos e seguros para seu uso em torno da maioria das pessoas, os asmáticos e outros com dificuldade respiratória podem não querer submeter a seus pulmões a qualquer estresse adicional. Em qualquer caso, sempre deve utilizar a menor quantidade de fumaça possível para criar o efeito desejado.

Outra questão a considerar é se a fumaça ativa os detectores de fumaça no lugar de montagem do show. A sensibilidade dos sistemas de detecção de fumaça varia muito, por isso, é importante começar com as provas só após ter notificado ao supervisor do local e, em caso de for necessário, ao departamento local de bombeiros. A participação prematura destas pessoas no processo de provas das máquinas de fumaça ajudará à prevenção de possíveis problemas que podem chegar a surgir durante o show.

Com estes conselhos, e um pouco de sentido comum, deveria estar no caminho correto para a utilização eficaz da fumaça em sua próxima produção. Mais informação a respeito das máquinas de fumaça e o uso da fumaça no cenário podem-se encontrar nas seguintes fontes, que foram instrumentais na redação do artigo.

“Introduction to modern effects Atmospeheric” – Publicado por ESTA, este artigo oferece informação geral sobre as máquinas de fumaça e sugestões para seu uso.

“The landscape lighting design and scene”, de Parker y Wolf – Uma das “bíblias” da tecnologia de cenas. A seção de efeitos de neblina e fumaça é curta, mas útil.

“www.esta.org TSP / fogdocs.html”, dispõe de suficientes dados técnicos sobre a fumaça para a leitura de um dia completo!

Noções Fog 02! _ O Único

Para os recém-iniciados no desenho de iluminação, os termos “fumaça” e “neblina” podem chegar a ser termos um pouco confusos. Agregando a esta confusão o fato de que os técnicos, vendedores e outros usam os termos “máquina de fumaça”, “máquina de neblina”, e “máquina de neve” de maneira intercambiável para qualquer das tecnologias disponíveis para fazer efeitos de fumaça ou de neblina. Demos uma olhada de como as máquinas neblina diferem de seus homólogos de fumaça no cenário.

Uma máquina de fumaça aquece um fluido a base de água/glicol para criar nuvens de neblina branca. Este neblina eleva-se no ar e geralmente dispersam-se nuns poucos minutos. A neblina é um grande efeito para sugerir fumaça, ocultando uma aparição ou uma desaparição, ou em outras situações onde se precisa uma nuvem opaca no cenário.

A maioria das máquinas de fumaça ou fogger aquecem um fluido a base de água/glicol, mas, em lugar de dispersá-lo, produzem densas nuvens de neblina opaca, o hazer produz uma fina neblina no ar. A neblina estende-se para encher o ar e dura mais tempo que a neblina produzida por uma fogger. É útil quando você procura que esta neblina seja vista pelo público não escurecendo sem opacar nem sem obstruir a ação no cenário.

Então, por que usar uma fogger em lugar de uma hazer? Uma máquina de fumaça é melhor utilizada quando se quer mostrar a iluminação, ou fazer que um efeito de luz que seja maior ou mais dramático. As gotinhas de neblina que a hazer machine põe no ar se dispersam quase o suficiente como para passar inadvertidos pelo público, até que um raio de luz brilha através da bruma e se reflete nelas. Você provavelmente viu um efeito similar quando o sol brilha através de uma janela numa habitação e se reflete nas partículas de pó.

Um exemplo: se tivermos um PAR64, este poderá com um gel de cor âmbar profundo produzir uma agradável ilha de luz forte ao redor do artista. Com a neblina no ar, no entanto, a personagem parece estar envolvida num raio de luz dourada. O PAR não só iluminará ao artista, a paisagem e o solo do cenário, senão que vai acender o ar mesmo. Do mesmo modo, se estiver usando luzes em movimento numa produção, um hazer pode significar a diferença entre os desenhos em movimento sobre o cenário, paredes e raios de luz dançando dramaticamente através do ar.

A melhor forma que encontramos para usar uma hazer numa produção é que a fumaça se encontre no ar constantemente, desde o momento em que o público entra. Desta forma a neblina só é detectável no marco da “atmosfera” no interior do espaço de atuação. Dependendo do tamanho de seu espaço, é geralmente uma boa ideia começar os preliminares uns trinta minutos antes da hora marcada da chegada da audiência ao lugar. A maioria de hazers oferece controle sobre a quantidade de neblina produzida, e é uma boa ideia fazer funcionar a máquina em plena potência durante a bruma inicial. Uma vez que uma quantidade adequada de fumaça está no ar, a máquina pode ser configurada para se executar constantemente a um menor volume, ou em intervalos durante a execução. O controle DMX ou analógico da iluminação e em especial as máquinas pode ajudar nesta tarefa, muitas vezes é conveniente injetar um bombeio de neblina no ar uns segundos antes de qualquer efeito que se vá gerar. Uma hazer machine pode ser uma ferramenta realmente poderosa para acrescentar o ambiente adequado para sua produção. A única que lhe dá um controle total da neblina, o que lhe permite fazer de sua apresentação “A MELHOR”.

Noções Fog 03! DICAS

Transforme-se num verdadeiro Técnico de Stage!

Uma coisa que aprendi ao trabalhar em cenários é que às vezes um problema difícil, pode-se resolver olhando as equipes existentes numa maneira nova. É neste espírito que estamos escrevendo esta edição de dados úteis. Queremos fazer referência a dois problemas dos efeitos especiais e oferecer nossas sugestões para sua solução por meio do uso da neblina.

Problema #1! Fazer aparecer neblina no cenário enquanto a máquina de fumaça se mantem fora do cenário.

A solução a este problema é comumente o uso de condutos, e é útil em qualquer momento que você precise fazer aparecer neblina em alguma parte, mas não pode ter a máquina de fumaça no lugar. Muitos tipos de materiais, tanto flexíveis como rígidos, podem ser usados para construir condutos para a neblina. O diâmetro mínimo dos condutos deve ser de 4″, com diâmetros menores pode causar que a neblina se recondense em líquido. Preferimos mangueira flexível de 4″ já que é fácil de conseguir e são econômicas, embora não seja o suficientemente perdurável como para suas necessidades. O tubo de PVC rígido também se pode utilizar, e os muitos acessórios disponíveis (conectores “E”, cotovelos de 90 graus, etc.) fazem uma grande opção para sistemas complexos de condutos.

Uma coisa importante para lembrar é que o vapor que sai da máquina precisa se misturar com o ar para criar a neblina. Portanto, você deve ter um espaço de ar de 3-4 polegadas entre a parte dianteira da máquina de fumaça e seus condutos. Se estiver usando uma mangueira flexível como conduto, poderá criar um marco de arames para conectar a mangueira à Fogger mantendo o espaço aéreo. Com PVC rígido, pode simplesmente colocar a máquina de fumaça a uns quantos centímetros por adiante do conduto.

Se a neblina precisa percorrer uma longa distância, recomendamos acrescentar um ventilador ao sistema. Nunca se deve soprar a neblina através do ventilador, já que isto vai romper a neblina e pode danar o ventilador também. Pelo contrário, acrescentar uma “E” de conexão à tubagem e conectar o ventilador a uma perna da “E”.

Problema #2! Fazer aparecer fumaça do um traje de um artista, intérprete ou executante.

A primeira vez que vi este problema em particular – e sua solução – foi numa posta cênica de um vídeo musical. Neste, uma das personagens tinha que despedir fumaça dentro da roupa, como se acabasse sair do inferno. O diretor técnico estava perplexo, e não entendia como a fumaça tinha que parecer vir do corpo do ator, e não de uma zona de seu traje. A solução era simples, barata e engenhosa.

Para fazer aparecer fumaça de um traje de um artista, intérprete ou executante, você precisará um pouco da cooperação do departamento de vestuário. Se for possível, o ator deverá ser vestido com roupa solta e poderá mantê-la um pouco fechada. Um bom exemplo seria um terno de negócios de um homem, de um tamanho demasiado grande para o ator. Justo antes de sair ao cenário, devemos ter um ajudante que dirigirá a saída de um nebulizador pequeno no paletó do terno (e talvez até as pernas). Deveremos ter cuidado ao fazer isto, já que o vapor na parte frontal da máquina é suficientemente quente como para causar queimaduras. Permitir um pequeno espaço de uns centímetros fará que o ator se proteja e lhe dará o espaço aéreo à máquina necessário para criar a neblina.

Como o ator caminha no cenário, seus movimentos fazem que a neblina escape da vestimenta, e é o que faz parecer que lhe sai fumaça. O efeito pode ser melhorado pelo ator dando pequenos golpes ao terno, empurrando mais neblina pelas costuras. Este efeito também funciona muito bem para fazer parecer que as personagens acabam de sair de uma explosão ou um incêndio.

Estes dois truques são só a ponta do iceberg quando se trata de usar a neblina. Uma das alegrias de trabalhar em efeitos especiais é a solução de problemas velhos com ideias novas e originais. Se você tiver um “truque de neblina” favorito que gostaria de compartilhar, ou um “problema de neblina” que pôde ou não solucionar, por favor, envie-o a nosso e-mail.


Solicite um orçamento

Whatsapp USA